Dirigindo em estrada de terra

 

Nas férias de inverno, sempre surgem aqueles hotéis e pousadas aconchegantes com boas ofertas para aproveitar o friozinho, não é? Mas, para chegar até lá, não raro é ter que lidar com estradas de terra e entradas de acesso mais complicado do que as que costumamos encontrar em nossas cidades. Por isso, é bom aprender a lidar com as intempéries desse ambiente diverso para fazer o trajeto com segurança. Saiba como impressionar na condução sobre a terra!

A principal diferença entre o asfalto e a terra está na aderência. A tração do carro fica comprometida no novo terreno e a possibilidade de derrapar, patinar e perder o controle aumenta substancialmente. Por isso, no artigo 61 do Código Brasileiro de Trânsito (CTB), a velocidade máxima permitida em estradas rurais é 60 km/h. “O contato do pneu com o chão é menor, dependendo da característica da terra. É um terreno que não tem um padrão”, explica Luiz Fonseca, instrutor de direção defensiva.

 

Cada piso tem uma característica diferente. Existem aqueles que ficam muito lisos e escorregadios quando chove. “Nesses casos, o problema é o que chamamos de costela de vaca. Por conta do tráfego intenso, a estrada fica cheia de pequenas ondulações diminuindo ainda mais o contato do pneu com o solo”, esclarece Luiz. Os mais arenosos e com cascalho ajudam a aumentar a aderência. “Outro obstáculo é o chamado de facões, que é quando o tráfego acaba formando trilhos na pista com as marcas das rodas, deixando a parte entre elas mais alta”, explica. O pior dos casos, segundo Fonseca, está nos solos com terra mais fofa, que podem se tornar lamaçais ou atoleiros em caso de chuva.

Mas como saber se dá ou não para passar? Acostumada com as condições adversas, a piloto de Rally Helena Deyama dá a dica: “Primeiro, é dar aquela olhada básica. Em caso de atoleiro, é bom observar o tamanho dos sulcos das rodas deixados pelos outros carros”, recomenda ela. O procedimento ideal passa por tirar o sapato e botar o pé na lama. “É muito prudente passar a pé, com a ajuda de um bastão ou galho, para ver se está afundando muito e o tipo de barro que vamos enfrentar”, ensina a piloto de Rally. “Não adianta ter pressa em estrada de terra, porque, se tiver, você não vai chegar, vai atolar ou derrapar com facilidade. Tem que ser mais precavida ainda”, reforça Luiz Fonseca.

 

Seguindo as dicas dadas acima ficará bem mais fácil seu ir e vir nas férias! Siga-as!

Fonte: De carona com elas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: